segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Leixões estreia-se com cruzeiro que parte e termina no seu Porto

Cabe ao navio Princess Danae, da companhia Classic International Cruises, a honra de inaugurar o Porto de Leixões em viagens de cruzeiros com início e fim no referido complexo portuário. O Princess Danae faz-se ao mar no dia 2 de Setembro com destino a Gibraltar e Tânger, e levará os passageiros numa viagem de quatro noites e cinco dias. O desembarque será no dia 6 de Setembro.

Publituris

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Apoio a novelas chama turistas

A ficção da TVI tem sido pioneira na divulgação dos mais recônditos lugares, hábitos e tradições de Portugal, mas também dos países a que a História nos liga. Macau, Brasil ou Moçambique compõem a tela dos décors das novelas do canal de Queluz de Baixo.
Mas isso só é possível com o apoio das entidades locais e governamentais. "As novelas, toda a ficção e o cinema, sem o apoio das câmaras e dos governos não sobrevivem" reconhece André Cerqueira, director-geral da Plural. Seguindo esta lógica, a produtora da TVI prepara-se para estrear a nova novela de António Barreira, 'Meu Amor', cujas gravações vão decorrer na Zambujeira do Mar. Curiosamente, esta produção – que terá como protagonistas Alexandra Lencastre, Margarida Marinho e Rita Pereira – não terá apoio da autarquia de Odemira. "A Câmara deu apenas apoio logístico e refeições para os castings", confirma à Correio TV Marlene Coelho, da edilidade. "As gravações no Alentejo vão ser curtas, uma ou duas semanas, porque o grosso será em Lisboa", explica Cerqueira.
O mesmo não acontece em Arcos de Valdevez, onde é gravada parte substancial da novela 'Deixa que te Leve', protagonizada por Mariana Monteiro e João Catarré, cuja autarquia tem sido incansável no apoio logístico desde o início das gravações. Francisco Rodrigues de Araújo, presidente da Câmara Municipal de Arcos de Valdevez, revelou à Correio TV que o apoio efectivo corresponde ao "alojamento e alimentação da equipa de produção e do elenco". Em termos de investimento camarário, o edil faz uma estimativa na ordem dos "50 mil euros". Valor este que só não é mais elevado porque a equipa está alojada no hotel [com 37 quartos] da Escola Profissional do Alto Lima. As gravações decorrem no centro histórico desta vila do Alto Minho e também na Peneda-Gerês. A igreja e a mercearia são parte do cenário desta produção que descobriu pormenores que surpreenderam as gentes da terra. "Eu sigo esta novela e posso dizer que a produção mostra aspectos do rio Vez e do concelho a que não dávamos a importância merecida. A equipa da Plural valorizou muito algumas belezas naturais", disse Francisco de Araújo. O autarca regozijou-se ainda com o resultado. "Não esperava tanto retorno turístico. Desde que começaram as gravações que os visitantes que vêm ao fim-de-semana, sobretudo ao domingo, duplicaram. E há cada vez mais excursões".

domingo, 23 de agosto de 2009

Rio Douro acolheu menos turistas no 1.º semestre

A navegação turística e de recreio efectuada ao longo do rio Douro resgitou uma quebra de 14% no primeiro semestre do ano, face a igual período de 2008, uma evolução interpretada de forma diversa pelos operadores turísticos.

Tendo em conta os valores indicados para o turismo, verifica-se ter havido uma descida de 54 238 turistas que usaram a via navegável no primeiro semestre de 2008, para 47 090, este ano, ou seja, uma queda de 13,1%.

Os números não surpreendem Manuel Almeida, da operadora turística Douro Acima, para quem, na conjuntura actual, é natural que desçam e "continuem".

No entanto, faz algumas apreciações, lembrando que os cruzeiros, sem ser em barco/hotel, "são na maioria feitos por portugueses". Nesse contexto, admite uma quebra no mercado, "uma vez que muitos já fizeram essa viagem". Aliás, afirma que o declínio também se notou no ano passado e lamenta que não haja "divulgação suficente" para atrair mais estrangeiros.

Quanto aos cruzeiros das seis pontes, feitos maioritariamente por estrangeiros, reconhece haver também "uma quebra".

Já para Mário Ferreira, dono da operadora turística Douro Azul, estes números não reflectem a realidade da empresa, dizendo estar a ter "o melhor ano de sempre".

Para explicar começa por dizer que o número de turistas contabilizados pelo IPTM são apenas os que passam por uma barragem, "excluindo os que fazem os cruzeiros das seis pontes, que são muitos todos os dias".

Por outro lado, adianta que a actividade da sua empresa aumentou 11% no 1.º semestre e, "em Agosto, até dia 17, já tinha ultrapassado "um milhão de euros em cruzeiros, o mesmo valor feito no mesmo mês ano passado".

Admitindo uma quebra do mercado inglês, Mário Ferreira frisou que a empresa já estava preparada, tendo começado a trabalhar com outros operadores: suíços, belgas, israelitas, australianos, além de ter havido um aumento de 10% de turistas americanos.

O número de pessoas que cruzaram o Douro em embarções de recreio também dimiuiu de 1169 para 819 (-30%). No entanto, João Pinheiro, director do porto do Freixo, diz que o espaço está quase lotado, embora observe haver "menos abastecimento de combustível e menos uso das embarcações", situação que também atribui à instabilidade meteorológica, além da crise.

Jornal de Notícias

Só Madeira e Algarve têm ocupação superior ao Douro

O Douro está a ser mais procurado. Nos meses de Maio e Junho registaram-se taxas elevadas de ocupação hoteleira. Entre as entidades regionais de Turismo nacionais, só ficou atrás do Algarve e da Madeira.

A Turismo do Douro revelou, ontem, que a região que tutela foi mais visitada por turistas nacionais e estrangeiros no passado mês de Maio, tendo registado taxas de ocupação de camas na ordem dos "40% nos dias úteis e dos 60% nos fins-de-semana". A contabilidade mostra que naquele mês ficou à frente dos pólos turísticos da Serra da Estrela, Leiria-Fátima, Oeste, Litoral Alentejano, Porto Santo e Alqueva. Este último foi o que mais se aproximou do Douro, com taxas de ocupação de 37%. Ao fim-de-semana, a região duriense conseguiu mesmo ficar à frente das áreas regionais de turismo do Norte, Centro, Lisboa e Vale do Tejo, Alentejo, Algarve e a Região Autónoma dos Açores.

Em Junho, a procura caiu ligeiramente por causa do apelo pelo sol e praia, mas subiu nos fins-de-semana, comparativamente a Maio, tendo-se registado ocupações de 63,6%. Desta vez, a Madeira conseguiu melhor resultado, com 66% em idênticos dias.

Os números de Maio e Junho levam o presidente da Turismo do Douro, António Martinho, a concluir que "a região está a ser cada vez mais procurada" e que tal facto "é bom para os empresários de hotelaria e restauração que investiram no Douro".

Este sucesso é "gratificante", diz Martinho, dado a aposta feita na promoção do Douro como destino alternativo ao sol e praia. É o caso da candidatura à lista mundial das Maravilhas da Natureza, o que deu mais visibilidade internacional. O medo de viajar para o estrangeiro, por causa da Gripe A, também terá contribuído para a opção de alguns turistas nacionais.

Jornal de Notícias

sábado, 22 de agosto de 2009

Todos os meios servem para descobrir o Porto

De autocarro, barco, comboio turístico, eléctrico ou simplesmente a pé, milhares de pessoas escolhem conhecer a Invicta nas férias

O sol ainda vai alto, mas Diana, Cláudia e Cynthia correm frenéticas a tempo de apanhar o comboio turístico, estacionado junto à Sé Catedral, no Porto. Chegadas de Montreal, no Canadá, "há poucas horas", as três amigas, de 21 anos, têm consciência que "não podiam conhecer Portugal sem visitar o Porto". "É como se fôssemos a Roma e não víssemos o Papa", explicou, ao JN, Diana. Já Cláudia, de olhar preso sobre a paisagem, quer "descobrir a cidade cheia de história" de que lhe falaram alguns familiares.

"Pena só aqui ficarmos 24 horas. Seguimos, já amanhã, para Lisboa. Segue-se Nazaré, Peniche e os dois últimos dias serão passados em Lagos. Depois partimos para Espanha", adianta Cynthia.
Não há tempo para mais conversa... De sorriso estampado, Manuel Gouveia, que há cinco anos guia o comboio turístico, avisa por mímica que "faltam três minutos" para partir.

"Isto em Agosto é impressionante. A cidade fica à pinha com tanto turista", disse Manuel Gouveia, que não tem dúvidas de que "os espanhóis são os que vêm em maior número".
A avaliar pela língua que, nestes dias, mais se faz ouvir no posto de turismo, da Rua do Clube dos Fenianos, a informação está correcta. Pablo, 57 anos, de mapa aberto sobre o balcão, perguntava "se é longe para ir a pé até à Livraria Lello?!". Bastou perceber onde ficavam os Clérigos e preferiu seguir a pé. "É assim que melhor se conhece uma cidade", disse a despedir-se.
Mas, mais a baixo, junto ao Palácio das Cardosas, os autocarros panorâmicos de dois andares parecem formigas a correr desenfreadas. Uns atrás dos outros.

Os números fornecidos, ao JN, pela Sociedade de Transportes Colectivos do Porto (STCP) confirma a procura: "Nos primeiros sete meses deste ano, a STCP transportou nos seus autocarros panorâmicos mais de 66 mil passageiros e nos eléctricos 'Porto Tram City Tour' quase oito mil turistas".

Mas, a manhã com os ponteiros do relógio a marcarem meio-dia está abrasadora na Baixa. Não corre uma ponta de vento. A solução é deixar os "souvenirs" da Rua de Santa Catarina "para mais tarde" e procurar a melhor forma de chegar ao rio. O funicular dos Guindais, junto à Universidade Moderna, surge no horizonte como um "oásis". Mas, "ulalá" com as vertigens, pairando o olhar sobre o rio Douro, desabafa Claudine, francesa, na companhia do marido, Patrick, e do filho, o pequeno Jean Paul, de três anos.

No sentido inverso, a subir para a Batalha, um grupo de italianos levantou a voz para criticar o sistema do funicular dos Guindais que obriga os deficientes motores a pagarem "um bilhete normal". "Em qualquer parte do Mundo os deficientes não pagam. Pelos vistos, só no Porto", reclamaram.

Já em "terra firme", Claudine, Patrick e Jean Paul ficam apenas cinco minutos. Tempo para comprarem os bilhetes e fazer um cruzeiro pelas pontes. Assim haja dinheiro e energia...

Descontos - Porto Card

O cartão turístico Porto Card é uma iniciativa do Gabinete de Turismo da Câmara Municipal do Porto e tem como objectivo promover a cidade e a marca Porto como "destino turístico de excelência". Entre outras vantagens, o Porto Card (que pode ser adquirido nos postos de turismo municipais) permite entrdas com redução em museus e monumentos, descontos em salas de espectáculo, cruzeiros no rio Douro, circuitos turísticos, restaurantes e lojas tradicionais, assim como a circulação gratuita na quase totalidade das linhas de metro, no funicular dos Guindais, e em toda a rede STCP. O preço do Porto Card varia entre os 3,50 euros (1 dia pedonal) e os 17,50 euros (72 horas consecutivas).

Passport VIP

O Porto VIP Passport resulta de uma parceria entre a STCP, a Carristur, a Douro Azul, as Caves Cálem, Serralves, a Casa da Música, o Museu Soares dos Reis, o Museu do Carro Eléctrico e o Sea Life. O bilhete dá descontos em transportes e nas entradas em museus e caves do vinho do Porto. Custa 39 euros.

Jornal de Notícias

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Romaria da Senhora d'Agonia custa 400 mil euros e gera negócios de mais de 10 milhões

A Romaria da Senhora d'Agonia vai gerar, este ano, um volume de negócios que ascenderá a mais de dez milhões de euros, entre restauração, alojamento, comércio e serviços, mas a festa, propriamente dita, custa apenas 400 mil euros. Apenas 80 mil são dinheiros públicos, atribuídos directamente pela Câmara de Viana do Castelo.

"As contas são fáceis de fazer. Falamos de mais de 700 mil pessoas ao longo dos dias da festa e se por cada uma fizermos um gasto de 15 a 20 euros, que dá para duas refeições e uma lembrança, chegamos a um negócio de vários milhões", explicou ao DN Francisco Sampaio, ex-presidente da Região de Turismo do Alto-Minho e da organização da Romaria. Desta forma, segundo contas oficiais, a romaria poderá gerar, directa ou indirectamente, entre 10 a 15 milhões de euros. "Esse valor pode ser ainda superior porque a nossa expectativa é de ter um milhão de forasteiros. Não vem ninguém à festa que tenha para gastar 20 a 30 euros para gastar", acrescentou.

Fernanda Natário, proprietária da típica pastelaria Manel Natário, vê o trabalho aumentar durante as Festas. "O Biscoito de Viana, que é uma patente registada nossa, as meias luas, as bolas de berlim, os manjericos, os salgadinhos" são os produtos mais procurados por quem visita esta pastelaria no centro de Viana, garante a "herdeira" do negócio do falecido "Manelzinho Natario". "Há cada vez mais trabalho, sobretudo nesta altura", diz ainda. As lojas de produtos regionais também um ponto de paragem para os forasteiros, sobretudo durante a festa. Carla Ivone, funcionária de uma loja regional, nota mais visitas ao estabelecimento onde trabalha desde de pequena. Mas maioritariamente emigrantes "que vêm comprar os trajes regionais". "Já o turista compra os postais e pouco mais", lamenta.

Diário de Notícias

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Entrevista Porto e Norte de Portugal: Promoção interna e externa juntas numa entidade

"Em fase de estabilização e consolidação da sua estrutura organizacional e funcional, o Turismo do Porto e Norte de Portugal, defende que a promoção interna e externa da região deve estar sob a responsabilidade de uma mesma entidade, o que poderá acontecer a muito breve prazo. Melchior Moreira, presidente desta entidade, em entrevista à Ambitur, destaca o trabalho feito nestes primeiros meses de existência.


A Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal está a actuar no terreno com que prioridades?

A Turismo do Porto e Norte de Portugal, E.R. está em fase de estabilização e consolidação da sua estrutura organizacional e funcional.

Estamos a actuar no terreno no sentido de posicionar a nossa logomarca traduzindo uma identidade coerente e integrada assente na dinamização dos produtos estratégicos, especificamente, MI e City & Short Breaks; Touring Cultural & Paisagístico e Patrimónios; Saúde e Bem-Estar; Turismo de Natureza; Turismo Religioso; Gastronomia e Vinhos, sugerindo uma ancoragem numa lógica de produtos estratégicos, capaz de delinear o percurso a seguir de harmonia com o desiderato da política para o sector como alavanca da economia nacional.

Temos já, em pleno funcionamento, duas Delegações de Produto Estratégico, respectivamente, Turismo de Saúde e Bem-Estar (Chaves) e Turismo de Natureza (Bragança), que se traduzem em estruturas profissionalizadas e especializadas na implementação, desenvolvimento, consolidação e dinamização dos produtos que definem a vocação turística da região.

Registamos parcerias estratégicas com os Municípios que se têm traduzido em acções de promoção específicas já concretizadas com grande êxito.

De referir também a parceria estratégica com a Xunta da Galiza, que irá concretizar-se através do estabelecimento de protocolos de colaboração entre as duas regiões que contribuam para a afirmação do Norte enquanto destino de Saúde e Bem-Estar e que será operacionalizada através da partilha de know-how e canais de distribuição, da concretização de acções promocionais conjuntas e da exploração de economias de escala.

Destaque ainda para o conjunto de 13 sessões formativas/informativas sobre o novo Regime Jurídico dos Empreendimentos Turísticos e Sistemas de Apoio Financeiro para as Empresas do Turismo, que realizamos nos passados meses de Abril e Maio em estreita parceria com os Municípios do Porto e Norte de Portugal e que abrangeram cerca de 500 empresários.

Através destas sessões de esclarecimento aos empresários a TPNP,E.R. estreitou o relacionamento com o sector e com o trade, tendo para esse efeito constituído internamente um departamento designado por Gabinete de Apoio ao Investidor formado por um conjunto de profissionais qualificados na orientação ao investimento e licenciamento turístico, tendo já sido recepcionados inúmeros telefonemas através da Linha Azul 808 202 202 e pelo email: apoio.investidor@portoenorte.pt.

Neste quadro de desenvolvimento turístico, a TPNP-ER está determinada em aumentar a taxa de ocupação média anual, a estada media dos turistas na região, o revpar regional, o gasto médio turístico, qualificar os recursos humanos do turismo, contribuir para a criação de novos postos de trabalho e, por fim, melhorar as condições de vida das populações locais sem as quais não será possível o alcance deste objectivos estratégicos.

Em suma, as nossas prioridades passam, invariavelmente, por um profícuo diálogo com todos aqueles que têm responsabilidades acrescidas na consolidação da imagem turística deste território no sentido de partilharmos a responsabilidade e o orgulho de conquistarmos para esta região um lugar de destaque no âmbito dos Destinos Turísticos de Portugal. Responsabilidade assente em compromissos estratégicos cujos pilares são: Formação e Promoção / Excelência e Qualidade, como vectores fundamentais que estruturam a missão da nova Entidade Regional de Turismo. Este é, sem dúvida, o caminho que melhor nos conduzirá a atingir o desígnio que nos propusemos: elevar o Porto e Norte ao pódio dos três principais Destinos Turísticos de Portugal.


A ERT Porto e Norte de Portugal poderá albergar mais competências do que as da promoção turística da região ao nível nacional?

A promoção externa da região tem estado a cargo de uma Agência Regional de Promoção Turística. Defendemos que a promoção interna e externa da região do Porto e Norte de Portugal, E.R. deve estar sob a responsabilidade de uma mesma entidade, o que poderá acontecer a muito breve prazo.


Que competências adicionais gostava que vos fossem atribuídas?

Consideramos fundamental tornar exequível a partilha de competências com o Turismo de Portugal, nomeadamente, ao nível dos pareceres no domínio dos Empreendimentos Turísticos, bem como no acompanhamento e execução de projectos de investimento, apoiando tecnicamente os actores que operam no espaço regional.

De facto, quem está no terreno conhece melhor as potencialidades e os aspectos a corrigir. As ERT's devem estar dotadas de capacidade técnica e financeira para apoiarem efectivamente o processo de desenvolvimento do Sector.

Destaque, ainda, para os pareceres no âmbito dos processos da Declaração de Utilidade Turística (benefícios fiscais) não previstos na lei, mas cuja intervenção de uma estrutura como a ERT pode ajudar a uma decisão mais próxima no terreno.

Consideramos, ainda, fundamental, protocolar com a Associação Nacional de Municípios Portugueses. No domínio do planeamento torna-se fundamental apoiar a tomada de decisão nas diversas áreas de intervenção Municipal relacionadas, directa ou indirectamente, com o sector, enquadrando as acções na recuperação do património, em infra-estruturas e no espaço público.


A entidade regional de turismo Porto e Norte de Portugal tem conseguido congregar os vários interesses da região (interesses privados entre outros)?

Temos privilegiado uma profícua colaboração com os agentes privados e Municípios que se têm afirmado como parceiros privilegiados no âmbito das nossas acções.

Ambitur

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Oporto, escapada perfecta

Paseos por bodegas, recorridos neoclásicos o copas al aire fresco de la ribera del Duero son algunas de las ofertas de la capital del norte de Portugal.
En Oporto se duerme tapado en agosto. Esto puede ser ya de por sí un incentivo para los que en verano quieran huir de la quema sin poner muchos kilómetros de por medio. La capital del norte de Portugal encierra además múltiples atractivos que la convierten en una escapada perfecta. Ciudad portuaria con pinceladas inglesas, aires decadentes y una pátina vanguardista, Oporto ofrece, entre otras cosas, visitas a las bodegas de sus famosos vinos, ejemplos del mejor azulejo portugués, perlas novecentistas o cenas de bacalao fresco y copas en la ribera del río.

De bodegas

En el XVII los comerciantes ingleses, debido a las constantes guerras con la vecina Francia, tenían dificultades para importar los vinos de Burdeos. Se aficionaron así a los portugueses, pero éstos soportaban mal el cruce del canal. Para aguantar la travesía del Atlántico les añadieron aguardiente. Y así nació el Oporto.

Hoy, en Gaia, se concentran las grandes bodegas de este vino: Offley, Cálem, Ferreira, Sandeman, Ramos Pinto... Todas pueden ser visitadas. Algunas cobran (máximo cuatro euros), otras, como Croft, Cockburn, Quinta do Noval o Taylor's, regalan la visita con guía y una copa de ruby, blanco, y otra de twany, una de las variedades de tinto (mapa 1).

De azulejos

Portugal es cuna del azulejo artesanal. Es frecuente encontrarlo no sólo como decoración en interiores, sino como revestimiento de fachadas, una costumbre que se acentuó en el XVIcon el regreso de Brasil de emigrantes portugueses con los bolsillos llenos. Imprescindibles de Oporto son la Capilla de las almas (rua de Santa Catarina 428, m. 2), la Iglesia de San Ildefonso (praça da Batalha, m. 3), el interior de la Estación de San Benito (praça de Almeida Garret, m. 4), los azulejos que cubren el claustro gótico de la Catedral (terreiro da sé, m. 5) y la Iglesia del Carmo (rua do Carmo, m.6).

Paseo medieval

Oporto fue visigoda, romana, árabe... El gallego Vimara Pérez lideró la reconquista en el siglo IX y un siglo después, Teresa de León, madre de Alfonso I de Borgoña, primer rey de Portugal, donó las tierras de Oporto al obispo Don Hugo, que le otorgó el primer fuero.

Además de epicentro comercial, el Oporto medieval es pues tierra testigo de disputas, de las que dan testimonio, por ejemplo, la conocida como Muralla Primitiva (largo de Vandoma, .m. 7), la Murralla Fernandinacon su imponente Muro de Santa Clara (trecho de los Guindais, m. 8) o el Muro de los Soportales de la Ribeira (m.9).

Merecen también una visita la Catedral, de estilo románico y, sobre todo, su claustro (tres euros la entrada), la Iglesia de Santa Clara (largo 1 de Dezembro, m. 10), la Casa de la calle de la Reboleira (m. 11), la Iglesia de San Francisco (Rua do Infante D. Enrique, m. 12) o la Casa del Infante (dos euros y gratis los fines de semana, m. 13).

De la torre a la 'feitoria'

Oporto encierra varias perlas del barroco y del neoclasicismo portugués. Del primero son buenos ejemplos la Iglesia y Torre de los Clérigos, sello de la ciudad de 76 metros de altura (dos euros, rua de S. Joao Novo, m. 15), la fachada de la Iglesia de la Misericordia (rua das Flores. m. 16) o la Iglesia de la Orden do Terco (rua de Cimo de Vila, m. 17).

En la segunda mitad del XVIII, medio tutelado por la colonia inglesa, se llevó a cabo un importante plan de reforma urbanística que afectó a construcciones tanto civiles como religiosas.

De esta etapa son la la Iglesia de la Lapa (largo de Lapa, m. 18), el Hospital de San Antonio (lago P. Abel Salazar), el Palacio de la Bolsa (seis euros, rua Ferreira Borges, m. 19), la Feitoria Inglesa (R. do Infante Dom Henrique 8, m. 20) o la Plaza de la Ribeira, lugar perfecto para acabar el día en alguna de sus terrazas.

Museo, libro y café

Oporto también tiene su versión del famoso A Brasileira lisboeta. Se trata del café Majestic (Rua de Santa Catarina, 112, m. 21), un local novecentista que combina maderas y espejos, con terraza, un pequeño patio y precios ligeramente por encima de la media pero razonables. Otra visita obligada es la librería Lello & Irmão (rua das Carmelitas, 144, m. 22), una maravilla neogótica de finales del XIX.

Finalmente, merece la pena asomarse al Museo de Arte Contemporáneo de Serralves (cinco euros, rua D. João de Castro, 210, m. 23), diseñado por el pritzker Siza Vieira y, cerca de la rotonda de Boavista, a la Casa de la Música (tres euros, Avenida da Boavista, 604-610m m. 24) del holandés Rem Koolhaas.

Bacalao y callos

En las orillas del Duero, incluida la de Gaia, se encuentran la mayor parte de restaurantes y bares de copas. Los locales de Gaia tienen fama de ser más modernos pero más flojos que los que se concentran alrededor de la Plaza de la Ribeira. En realidad, en ambos lados se puede degustar un sabroso bacalhau, un caldo verde, tripas a moda do Porto (callos) o una lubina a la parrilla.

Chez Lapin (Rua dos Canastreiros, 40/42), por ejemplo, pese a su nombre, ofrece una carta tradicional que incluye variedad de pescado y vinos de la zona por unos 30¤ por persona. Como en muchos de los locales de la Riberia, se echa de menos una mejor ventilación. En Gaia, el Bacalhoerio (Avenida Diogo Leite, 74) sólo tiene dos segundos de carne. El resto es todo bacalao de mil formas. Sabroso y bien servido. En la misma zona, los picos más finos se pueden cruzar al Dom Tonho (Cais da Ribeira, 13), moderno, bien puesto, con carta variada pero precios alegres.

Fuera de circuito, en la Praça da Batalha hay varías churrasquerías poco sofisticadas pero muy asequibles. Carnes y pescados a la brasa, vino y caipiriña por 20 euros. Muy recomendables.

El País

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

"Durante nove meses a viajar pelo país tenho dormido a maior parte do tempo fora de casa, sempre em hotéis, pensões ou residenciais. Já foram cerca de 200 noites em alojamentos pagos, o que me permite tirar algumas conclusões sobre o alojamento hoteleiro de média dimensão em Portugal:

  • Hoje em dia, todos os alojamentos têm casa de banho privativa;
  • A água do duche raramente está à temperatura e à pressão de que gostamos;
  • Por norma, as toalhas de banho são sempre mais curtas do que os toalhões lá de casa;
  • No Inverno, nenhum hotel utiliza lençóis de flanela nas camas;
  • É frequente haver pelo menos um canal ou comando de televisão que não funciona;
  • Senti falta de um hotel em que a hora limite de saída não fosse o meio-dia. A alternativa para este caso podia ser um motel mas, ao contrário do que acontece noutros países, os motéis em Portugal estão bastante conotados com encontros sexuais.
  • Encontrei apenas dois hotéis que ainda têm a Bíblia na mesa de cabeceira.
  • Vários hotéis fazem marketing ambiental colocando um aviso nos quartos para que seja o cliente a decidir quando pretende ou não a troca de toalhas e lençóis. Em todos os casos, respeitei sempre a indicações dos panfletos, mas o meu desejo não se concretizou. Trocaram-me a roupa da cama e as toalhas mesmo quando dei indicações para não o fazerem. Ouvi várias explicações: Desde o «é política da casa trocar os lençóis todos os dias» a um «estamos a trabalhar para ter a certificação ambiental». Ora, se o cliente respeita as indicações sugeridas pelos panfletos e essa vontade não é correspondida, para que servem afinal os papéis onde os hotéis apregoam ser amigos do ambiente?
  • Raramente reservei hotéis. E quando o fiz foi sempre por telefone, nunca pela internet.
    Os preços são díspares e bastante aleatórios. Houve casos em que percebi que o preço foi estipulado pelo meu aspecto e pela maior ou menor simpatia que tive na abordagem à recepcionista.
  • Muitos hotéis fazem o chamado preço de empresa (descontos quando a factura é passada em nome de uma empresa). O mínimo que paguei foram 20 euros e o máximo 80. A média anda nos 35/40 euros por noite.
  • Há hotéis que cobram preços por quarto (independentemente do número de pessoas), outros pela quantidade de pessoas e outros ainda pelo tipo de tipo de cama (individual ou de casal).
  • A classificação dos hotéis em Portugal, apesar de estar legislada, é confusa. Há alojamentos de 2 estrelas que parecem ter 4 e hotéis de 3 que mais parecem pensões baratas.
Caricato: fiquei uma noite num hotel de três andares em que não havia recepcionista. A porta principal ficou fechada, sem que ninguém estivesse a zelar pela segurança dos hóspedes. Antes de me deitar deram-me um número de telemóvel para eu ligar, caso houvesse algum problema durante a noite... e explicaram-me que, dado haver pouco movimento, a família proprietária do hotel ficava em casa, que era «já ali ao cimo da rua». Felizmente dormi sem sobressaltos!"

Na TSF Online, Fim da Rua, por Rui Miguel Silva

terça-feira, 11 de agosto de 2009

A Piscina dos Aliados

Já que se volta a falar da Avenida dos Aliados, aproveito para fazer um reparo que já há muito me parece relevante.

O espelho de água terá sido construído com a melhor das intenções, mas com muito pouco bom senso. Como seria previsível desde o início, ele tem antes servido a função de piscina: nos dias de calor é frequente ver crianças e jovens a refrescarem-se em cuecas naquela água imprópria para consumo.

Não é nada dignificante que este tipo de situações pitorescas sucedam naquele que é o salão nobre da nossa cidade. Não é a forma como pretendemos viver a Baixa, não é assim que nos posicionamos como um destino turístico de qualidade (que contraste com a imagem do vinho do Porto...), e não impressiona potenciais investidores estrangeiros.

Estamos sempre a tempo de corrigir o tiro e retirar dali a "piscina". Ou então assuma-se que é uma piscina, limpe-se a água e contrate-se um nadador salvador. Assim é que não.

Concertos tardios continuam na zona histórica do Porto

A realização de eventos deveria servir para atrair turistas e animar a zona histórica do Porto. Não para afastar turistas e perturbar os moradores. Existirá algum motivo para que os concertos não terminem à meia-noite, ou é apenas má organização e desleixo?

De pouco vale levar o Turismo do Douro levar 40 embaixadores a visitar o Douro se depois tratamos assim outros potenciais embaixadores. A criação de um destino turístico de qualidade não se compadece com este tipo de situações. Nem a atracção de moradores para a Baixa.

"Domingo de manhã, o alcaide da cidade de Fez, Marrocos, arrumou as malas e saiu apressadamente do Hotel Infante de Sagres, no Porto, onde ia ficar mais duas noites, com familiares. "Não fico mais aqui, passei uma noite de pesadelo", disse ao director do hotel, Paulo Carvalho, que ontem contou o sucedido ao JN, sublinhando que este cliente VIP foi apenas um dos que decidiu não voltar ao hotel de cinco estrelas por causa do barulho dos concertos que estão a decorrer todos os sábados, desde 16 de Julho, na Praça Filipa de Lencastre.


"Fiquei mortificado de vergonha. Perdi um grande cliente, que é presidente da Câmara de uma cidade turística com mais de um milhão de habitantes, perdi três noites de estadia, mas o mais importante é ter perdido a imagem, que é inquantificável", disse, indignado, ao JN, o responsável do hotel.


Desde que os concertos do ciclo Downtown Sounds começaram naquela praça - há actuações agendadas até 19 de Setembro, todos os sábados à noite, a partir das 22.30 horas - que Paulo Carvalho adquiriu o hábito de pedir desculpas a quem pernoita no hotel situado do outro lado da rua do palco. "Houve clientes que disseram que não punham mais cá os pés e temos tido muitas reclamações", relatou, ressalvando não ser contra a animação na Baixa, mas sim contra a forma como o evento está a ser controlado.


"O primeiro concerto acabou às quatro da manhã e este fim-de-semana acabou à uma da manhã. Chamámos a Polícia, que nada fez, dizendo que havia autorização", contou o director da unidade hoteleira. Além disso, "todos os sábados e domingos de manhã temos que deitar lixívia pura na entrada do hotel, porque fazem lá necessidades. E há ainda os vidros, os copos e as garrafas", assinalou. Diz ter tentado obter esclarecimentos junto da empresa municipal PortoLazer, que promove a animação na Baixa no Verão, sem sucesso.


Recorde-se que, no final de Julho, perante queixas da Associação Portuguesa de Hotelaria, Restauração e Turismo (APHORT), a Porto Lazer comprometeu-se a cumprir rigorosamente o horário de fim dos concertos, que é à meia-noite. O JN tentou ontem, sem sucesso, falar com o director da empresa municipal. "

Jornal de Notícias

FARO: Aumento do turismo com mais ligações aéreas ao Porto

A Câmara de Faro manifestou-se hoje satisfeita com a decisão da companhia aérea Ryanair de iniciar em Outubro quatro ligações aéreas por semana entre o Algarve e o Porto, considerando que é uma medida que valorizará o turismo na região.


Em comunicado de imprensa, o presidente da Câmara, elogiou "a decisão da companhia aérea Ryanair" de iniciar voos entre Faro e o Porto "às segundas, quartas, sextas-feiras e domingos" já a partir de Outubro deste ano. Para José Apolinário, "esta aposta da companhia é uma mais valia para o crescimento do turismo no Algarve e, em particular, na região de Faro".

A "nova rota marca a aposta do Algarve no mercado interno e no turismo nacional enquanto parte fundamental do desenvolvimento da região", lê-se no comunicado de imprensa.

Observatório do Algarve

Douro Film Harvest homenageia Forman

O realizador Milos Forman vai ser o homenageado da primeira edição do Douro Film Harvest, a decorrer entre 9 e 13 de Setembro em vários concelhos de Trás-os-Montes. O cineasta, vencedor de dois Oscars, receberá o galardoão CastaDouro Carreira.


O nome do realizador foi confirmado ontem, em conferência de imprensa, na cidade do Porto, pelo director de programação do festival, Salvato Telles de Menezes. Milos Forman vai ser premiado pela carreira e cinco dos seus filmes vão ser exibidos no evento.

O Douro Film Harvest surge com o intuito de promover a região do Douro como possível cenário de produções cinematográficas. "Mostrar o Douro ao mundo do cinema e levá-lo mais longe" é um dos objectivos da iniciativa, como afirmou António Martinho, presidente da Turismo do Douro, uma das entidades organizadoras.


As cidades de Vila Real, a quem caberá as honras de apresentação, Lamego, Torre de Moncorvo e Santa Marta de Penaguião vão ser o palco deste encontro cinematográfico. Segundo o director de programação, a organização procura possibilitar a reunião de personalidades do mundo do cinema naquele espaço.

O compositor Kyle Eastwood - filho de Clint Eastwood -, juntamente com a sua banda de jazz, é uma das presenças confirmadas no festival, onde vai actuar a 12 de Setembro. O músico compôs a banda-sonora de filmes como "Mystic river", "Gran Torino" e "Million dollar baby".

Por sua vez, a actriz Andie Macdowell, conhecida pelos filmes "Quatro casamentos e um funeral" e "Mulheres de armas", entre outros, também vai receber um tributo.

O Douro Film Harvest "é o primeiro no Mundo a desdobrar-se por várias localidades, conferindo-lhe", segundo Miguel Vaz, director executivo do certame, "uma lógica de simultaneidade".

A iniciativa é organizada pela Entidade Regional de Turismo do Douro, Instituto dos Vinhos do Douro e do Porto e Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, sendo Moritz de Hadeln, organizador de festivais de Veneza, um dos co-fundadores.

O festival conta com um cartaz constituído por filmes de várias origens, cabendo ao público a escolha do melhor, que receberá o Prémio Vintage.

Jornal de Notícias

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Porto Palácio no Youtube

O Porto Palácio Congress Hotel & SPA acaba de disponibilizar o filme institucional de promoção no Youtube, "optimizando a relação de proximidade com actuais e potenciais clientes e com os vários públicos que integram aquela comunidade".

O vídeo encontra-se disponível em http://www.youtube.com/watch?v=hwJxY0EJJ

Ricardo Graça Moura, responsável de marketing do Porto Palácio Congress Hotel & SPA, afirma que o vídeo será "uma ferramenta capaz de fomentar a fácil acessibilidade para parceiros e clientes". "Acredito que conseguiremos comunicar de forma mais abrangente a cultura de dedicação e o nível de serviços do Porto Palácio Congress Hotel & SPA", refere.

Para Miguel Velez, director-geral da unidade cinco estrelas da Avenida da Boavista, "a utilização deste suporte representa a oportunidade de apresentar o Porto Palácio Congress Hotel & SPA em qualquer parte do mundo e de servir de cartão-de-visita aos vários públicos com quem trabalhamos diariamente". "O Youtube é o motor de busca mais utilizado por quem procura vídeos promocionais, pelo que apostamos em dinamizar a informação referente ao nosso portfólio de serviços. Era uma oportunidade que não queríamos e, sobretudo, não podíamos perder", salienta.

Publituris

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Ryanair anuncia rota doméstica e 3º avião no Porto

A companhia low-cost irlandesa anunciou a entrada oficial no mercado doméstico português, com a abertura da rota entre Porto e Faro, que deverá começar a operação em Outubro. Além da entrada no mercado doméstico, a Ryanair anunciou ainda o lançamento de duas rotas que ligarão a cidade Invicta às cidades alemãs de Dusseldorf e Karlsruhe. A companhia espera conseguir captar 200 mil passageiros por ano através das novas rotas. Para comemorar as novidades da sua oferta a companhia irlandesa vai disponibilizar um milhão de lugares a 1 euro (com taxas incluídas) para viagens a realizar entre Outubro e Novembro. As reservas têm de ser efectuadas entre os dias 6 e 7 de Agosto.

Outra das novidades da low cost é o reforço da sua base no Aeroporto Sá Carneiro com uma terceira aeronave, que iniciará operações em Setembro, e que representa um investimento de mais de 70 milhões de euros.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Ryanair lança primeira rota doméstica em Portugal (Porto - Faro)

A companhia aérea Ryanair anunciou hoje que vai arrancar com a primeira rota doméstica em Portugal. A primeira ligação será entre o Porto e Faro e vai começar a Outubro.

Em conferência de imprensa, a Ryanair adiantou que investiu mais 70 milhões de euros no novo avião para a base do Porto, que começa a funcionar em Setembro. No total a base vai ter três aviões, o que representa um investimento 210 milhões de euros.

Sobre planos de lançar outras rotas domésticas, nomeadamente a ligação entre Lisboa-Porto, a Ryanair não avançou com datas.

A companhia aérea aproveitou ainda para anunciar mais duas rotas a partir do Porto para duas cidades alemãs (Dusseldorf e Karlsruhe).

A partir de amanhã e até sexta-feira, a Ranair oferece um milhão de bilhetes para estas três rotas a um euro.

Jornal de Negócios

Douro vai ter um festival de cinema

É hoje anunciada a programação do Douro Film Harvest, festival de cinema cuja primeira edição, em Setembro, terá as presenças de Milos Forman e Andie MacDowell

A ideia começa já nas próximas vindimas do vale do Douro com o arranque da primeira edição do Douro Film Harvest, festival internacional de cinema, entre 10 e 13 de Setembro. Tem Moritz de Hadeln (ex-director histórico nos Festivais de Berlim, Locarno ou Veneza) como consultor especial e Milos Forman, Andie MacDowell e Kyle Eastwood como principais convidados.

Ao contrário de outros festivais de cinema (centrados em fortes e originais programações, obras temáticas, realizadores ou actores, etc) este recém-nascido Douro Film Harvest - que hoje apresenta no Porto a sua programação total - é organizado, entre outros, pelo Turismo do Douro, com o apoio do Instituto dos Vinhos do Douro e Porto (IVDP) e da Estrutura de Missão para Região Demarcada do Douro e pretende ser, nas palavras de António Martinho (presidente da Turismo do Douro) ao DN, "um festival de cunho internacional marcado pelo prestígio do Douro com o objectivo muito próprio de universalizar esta paisagem única como um cenário internacional de filmagens. Os convidados especiais funcionam como o interface do realizador / actor/ compositor / produtor que representa os aspectos de uma arte global e da ligação entre culturas. A ideia opera como um todo na promoção do Douro e até do seu turismo cultural, proporcionando assim um resultado optimizado".

Segundo António Martinho, o novo festival para além de poder vir a colocar a região do Douro "no mapa dos eventos de cinema a nível mundial, vem ainda projectar a região como palco ideal para a realização de filmes. Quem não gostaria de filmar num quadro natural que é Património Mundial, tão denso, colorido e envolvente, afusão perfeita entre o trabalhodo homem e as maravilhas danatureza?". Uma das originalidades do Douro Harvest Film (ouseja o Festival das Vindimas, ou colheitas,do Douro) consiste em ser "o primeiro festi-val descentralizado do mundo, ao decorrer em simultâneo em várias localidades do vale.Todos os dias, há uma programação variada no Teatrode Vila Real, no Teatro RibeiroConceição, em Lamego, e no re-novado Cine-Teatro de Torrede Moncorvo", acrescentou.

O filme vencedor receberá o novo galardão "Vintage Port", promovendo assim internacionalmente, e intencionalmente, o vinho do Porto, estando a Direcção de Programação a cargo de Salvato Telles de Menezes. Um certame mais virado para a indústria (talvez como o Festival de Deauville, que se realiza todos os anos na Normandia, e funciona como um grande mercado cinematográfico) e para os recursos naturais e económicos da região duriense expostos no trabalho de Manoel de Oliveira, o clássico Douro, Faina Fluvial.

A gala de inauguração do Douro Harvest tem lugar a 9 de Setembro, em Vila Real, e as exibições começam no dia seguinte, com destaque para a actuação (dia 12) do compositor Kyle Eastwood, filho de Clint Eastwood - responsável pelas bandas sonoras de Million Dollar Baby ou Grand Torino - que com os recursos da sua bem calibrada banda de jazz, visita Portugal pela primeira vez. Espectáculo a não perder. O encerramento do festival tem lugar dia 13, em Lamego.

Diário de Notícias

terça-feira, 4 de agosto de 2009

Promoção do Porto Via Youtube - Reacções

Respostas à proposta de promoção do Porto via youtube:

http://www.porto.taf.net/dp/node/5735

http://www.porto.taf.net/dp/node/5736

http://www.porto.taf.net/dp/node/5737

Para promover uma cidade não é necessário muito dinheiro

Ainda não são muitas, mas já há algumas cidades a descobrir o Youtube para fazer a sua promoção a custos imbatíveis. Por exemplo, este vídeo na estação central de Antuérpia, já foi visto 8.470.000 vezes nos últimos 4 meses. Para ter uma audiência semelhante em televisão seria necessário dispender cerca de 250.000€ para um anúncio de 30 segundos (mais o custo da criação do anúncio). Nos 10 minutos que demorei para escrever este texto, o vídeo foi visto por mais 5000 pessoas. A este ritmo, no fim do ano poderá valer o equivalente a mais de 1.000.000€ em publicidade!

É um exemplo de como é possível fazer promoção de uma cidade sem necessidade de grandes recursos ou eventos. Basta uma boa dose de imaginação e originalidade e uma câmara de vídeo. Como contraste, não consegui encontrar vídeos sobre o Porto (cidade) que atingissem sequer as 100.000 views. O melhor que encontrei foi 88.000 views no inesquecível Porto Sentido. Aqui está um nicho de promoção que vale a pena explorar.

Nota: a única falha do vídeo de Antuérpia é que a estação central não é particularmente apelativa. Mas se fosse no Porto... imaginem qual não seria o impacto se fosse filmado na entrada da estação de S. Bento!

Braga convidada para integrar o Parque Cultural Europeu

O concelho de Braga foi convidado para integrar o Parque Cultural Europeu, uma rede de 40 parques que deve incluir Las Medulas (Espanha) e países como França, Itália, Áustria, Alemanha, Suécia, Dinamarca e Noruega.

O representante português será "o único parque arqueológico e em descontínuo", pois os restantes são em geral parques naturais ou ambientais, segundo a presidente da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho (UAUM), Manuela Martins. O projecto foi apresentado há dias no novo número da revista "Fórum".

Em Braga, promove-se então a "paisagem de cidade, construída", unindo 16 núcleos (a maior parte já monumentos nacionais), sendo onze na enorme área pedonal e cinco noutras freguesias, podendo o visitante definir a rota.

"Queremos mobilizar os defensores do património e não numa escala política", apela a responsável, "é um parque difuso, mas unificado a integrar a História local". Nos parceiros conta-se já a Câmara Municipal e a Universidade do Minho. O projecto foi também apresentado à Direcção Regional da Cultura, IGESPAR, Aspa, Associação Comercial de Braga, às várias forças partidárias e direcções de museus, entre outros. Aguarda-se que estes façam chegar comentários e a sua disponibilidade, de forma a fazer a promoção e discussão pública, para, aí sim, se constituir o Parque Arqueológico de Braga e concretizar a apresentação da candidatura.

Os núcleos arqueológicos bracarenses inicialmente eleitos são: Estação da CP, Fonte do Ídolo, Colina da Cividade, Escola Velha da Sé, Carvalheiras, Sé Catedral, Paço Arquiepiscopal, Torre Medieval (Castelo), Torre de Santiago, Praça Velha, villa e templos em S. Martinho (Dume), templos de S. Frutuoso e S. Francisco (Real), Sta. Marta das Cortiças (Falperra, Esporões), mosteiro de Tibães (Mire de Tibães) e complexo das Sete Fontes (S. Vítor). Sendo um parque polinuclear, é susceptível de núcleos novos, como foi o caso da necrópole recém-descoberta nos antigos CTT.

O plano visa dignificar e potenciar o "valor histórico, cultural, científico e turístico" do património bracarense, nomeadamente o romano e bimilenar de Bracara Augusta. A aposta nos conteúdos de interpretação multimédia e a remodelação dos espaços visitáveis vai também contribuir para cativar mais visitantes da rede, a uma escala mundial. "Braga tem muito mais património arqueológico visitável do que as outras cidades do país", frisou o arqueólogo Luís Fontes, da UAUM. Notou que o processo "não foi pacífico mas fruto de difíceis negociações, sempre suportadas" pela fundamentação científica.

"Isto tem custos, mas cá estamos para aguentar. Braga tem monumentos 'novos' graças à arqueologia. Deve orgulhar-se deles".

Jornal de Notícias

Abertas candidaturas ao concurso "Best of Wine Tourism" 2010

O concurso “Best of Wine Tourism” já abriu candidaturas para a edição 2009-2010. Esta iniciativa - integrada na Great Wine Capital Global Network - promovida pela Câmara Municipal do Porto (CMP) desde 2003 visa premiar os melhores serviços de enoturismo, no caso de Portugal, pelas regiões do Douro e dos Vinhos Verdes. Mais informações disponíveis no website da CMP (www.cm-porto.pt) ou em www.greatwinecapitals.com.

Algarve cria complexo de estúdios e cativa indústria norte-americana

É uma ideia interessante. Porque não apostar no Porto para filmes em espaço urbano? Bem, já tivemos o Star-Crossed...

"O Algarve está a transformar-se no berço de um complexo de estúdios de cinema que pretende colocar a região no mapa das produções de Hollywood e que poderá alterar a lógica de funcionamento do sector em Portugal. O projecto intitula-se Picture Portugal, partiu da Câmara Municipal de Portimão e da Algarve Film Comission, e situa-se no Park Algar, uma estrutura com mais de uma centena de hectares junto ao Autódromo do Algarve e que inclui ainda hotéis e um centro tecnológico.

O actor Joaquim de Almeida é um dos rostos mediáticos deste projecto que tem como objectivo cativar responsáveis dos estúdios de cinema e os produtores norte-americanos para que escolham o Algarve para rodar os seus filmes.

O complexo de estúdios, que permitirá, por exemplo, realizar trabalho de pós-produção e laboratório, implica um investimento estimado em 200 milhões de euros e só estará concluído em Fevereiro de 2011. Para esse objectivo final, está previsto ainda a realização de um festival de cinema na Praia da Rocha, com uma forte componente internacional.

Apesar do complexo em Portimão não estar ainda terminado, está já em marcha cerca de uma dezena de projectos cinematográficos que terão co-produção portuguesa, fruto de vários contactos realizados pela Picture Portugal ao longo dos últimos dois anos com responsáveis da indústria cinematográfica internacional.

A produção de 11 filmes, alguns ainda em fase de reescrita de guião e outros de escolha de elenco, envolve um orçamento total de 95,5 milhões de euros, dos quais 16,5 são investimento da produtora Bartholomeu Digital Cinema.

Entre os 11 filmes a desenvolver até 2011 contam-se "Femina", com a actriz italiana Sophia Loren como protagonista, e "Mendes", inspirado na vida do cônsul português Aristides de Sousa Mendes, ambos com realização de Matt Cimber. Há ainda outras produções em carteira, com contratos já assinados, que vão do thriller à comédia romântica, passando pela ficção científica, neste caso pela mão do produtor Walter Hill, que trabalhou na série de filmes "Alien"."

Opção Turismo

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Parque Biológico de Miranda do Corvo teve 2600 visitantes em menos de dois meses

O Parque Biológico da Serra da Lousã, na Quinta da Paiva, em Miranda do Corvo, no qual existe o "único labirinto de arvores de fruta do mundo", já teve 2600 visitantes desde a inauguração em Junho, foi hoje anunciado.

Inaugurado em meados de Junho, o parque está dotado de uma colecção de animais de raças autóctones ligadas á agro-pastorícia. Nele, podem observar-se burros, várias raças de vacas desde a Cachena do Minho à Mirandesa de Trás-os-Montes, porcos bísaros ou pretos alentejanos, ovelhas da Serra da Estrela e cabras bravias do Minho, entre muitos outros animais.

Possui o único labirinto de árvores de fruta do mundo, numa homenagem aos viveiristas da região, e onde as pessoas podem ficar a conhecer, enquanto se divertem a descobrir o percurso certo, as diferentes árvores frutíferas - segundo uma nota divulgada hoje pela Fundação Associação para o Desenvolvimento e Formação Profissional de Miranda do Corvo (ADFP).

Podem ainda apreciar-se, em ambiente natural, numa área florestal, mamíferos representativos da vida selvagem portuguesa, nomeadamente lontras, raposas, javalis, gambos, veados, garranos, muflões, esquilos, ginetas e sacarrabos.

"O parque abriu ao público em meados de Junho, ainda não tem dois meses de vida, pelo que o número de visitantes constitui um grande sucesso. A média de visitantes foi de cerca de 60 pessoas por dia durante o mês de Julho", refere o presidente da direcção da Fundação ADFP, Jaime Ramos.

Um pequeno fluviário criado recentemente destina-se a mostrar os peixes dos rios portugueses e está a ser criada uma colecção de aves selvagens representativas dos "habitat" nacionais.

"O Parque Biológico da Serra da Lousã não pretende ser mais um zoo ou um fluviário mas sim o único local que mostra a vida selvagem, natural, de Portugal, recusando exibir animais exóticos, representativos de outros países ou continentes", lê-se na mesma nota.

O parque tem ainda "uma grande vertente social apostando nas potencialidades terapêuticas da natureza e da vida ao ar livre, criando actividades ocupacionais para pessoas com deficiência ou doença mental".

A Quinta da Paiva é um projecto realizado pela ADFP em parceria com a Câmara de Miranda do Corvo (distrito de Coimbra), que obteve o primeiro Prémio Nacional de Empreendedorismo, na categoria de Investimento Humano, atribuído pelo IAPMEI, Ministério da Economia.

Um dos objectivos fundamentais da Fundação ADFP é "criar postos de trabalho para pessoas vítimas de exclusão pelo que as pessoas que visitam o parque não só têm a oportunidade de conhecer a vida selvagem portuguesa como de, em simultâneo, apoiar um projecto de integração social, com vertentes terapêuticas".

A Quinta da Paiva é "um projecto de desenvolvimento sustentável com aposta na coesão social, criando emprego para pessoas vítimas de exclusão. Pretende integrar turismo, lazer, cultura e desporto, com infraestruturas diversas, num amplo espaço rural e florestal, atravessado por um rio", lê-se no sítio na Internet da ADFP.

Diário de Notícias

Muitos pensam que o vinho do Porto ganhou esta designação porque anda de porto em porto...

Defende que, mesmo neste contexto, Portugal tem de trabalhar na imagem que projecta lá para fora. Na sua opinião, como se poderia construir a marca do país?

Uma área que facilmente poderia projectar Portugal é o vinho. É uma área em crescimento e da qual todos gostam. O único sítio do mundo onde se pode fabricar vinho do Porto é em Portugal. O Douro é uma região demarcada há séculos e não percebo porque é que ninguém no mundo ainda reparou nisso. Muitos pensam que o vinho do Porto ganhou esta designação porque anda de porto em porto, da cidade do Porto para o Reino Unido. As pessoas não sabem. E sabem que o champanhe é produzido em França.

Para além do vinho do Porto, que outra áreas podem “vender” Portugal?

As energias renováveis. Se olharmos para qualquer estatística Portugal está nos primeiros lugares da produção de energia solar, eólica, co-geração... Penso que agora é preciso que alguém crie a imagem de Portugal como o centro mundial das energias verdes. Teria um impacto no sistema de educação, na investigação e desenvolvimento, na atracção de universidades e de investimento.

É uma questão de comunicação?

Não só. É uma questão de parcerias entre o sector privado e o público. Teria de ser um projecto de importância nacional. E tem de ser feito hoje. Esse lugar, de centro mundial das energias verdes, ainda não está ocupado. Um qualquer país que faça seminários, publique artigos de investigação e crie um logótipo interessante vai tirar o lugar de Portugal.

Portugal sempre investiu em campanhas de promoção externa, nomadamente do turismo.

Ainda bem que fala nisso. O problema é que não se percebe onde está a marca Portugal. Perdeu-se. Espanha teve imenso sucesso com aquela imagem do Miró [o símbolo oficial do turismo espanhol foi feito pelo pintor Joan Miró em 1983] e agora já nem a precisa de usar. Precisavam de concentrar-se numa marca. Não basta fazer publicidade na CNN. Devem focar-se nos principais mercados europeus.

A mais recente campanha de promoção externa apresenta Portugal como a Costa Oeste da Europa e aposta nas energias renováveis.

O que é que as energias renováveis têm a ver com turismo?

O objectivo é mudar a percepção que se tem do país. Também mostra retratos de Cristiano Ronaldo e de José Mourinho.

Isso é interessante. Li um artigo numa revista de renome sobre a transferência do Cristiano Ronaldo para o Real Madrid. Dizia que o jogador era muito popular em Espanha, mas que o seu estilo hispânico lhe dava popularidade global... Ele é português! Também não se devem misturar temas como as energias renováveis e figuras públicas. Ou seja, a mensagem tem de ser clara.

Entrevista a Anupam Prakash ao Público, consultor da Hewitt Associates e especialista em globalização.

Reabilitação e o City Marketing

Documento da Porto Vivo de 2006.

Milhares nos dez anos do Intercéltico de Sendim

O Festival Intercéltico de Sendim (FIS), concelho de Miranda do Douro, que terminou anteontem, celebrou dez anos, ao longo dos quais alguns milhares de pessoas têm dado vida ao que muitos garantem ser já o palco de "excelência" da folk na Península Ibérica.
A prová-lo, está o número crescente de espectadores, portugueses e espanhóis, estes vindos das regiões das Astúrias, Galiza e Castela e Leão.

"Andámos mais de quatro horas de carro para vir a Sendim. Ficámos encantados com a programação musical e com a hospitalidade das pessoas locais. Além da música que nos une, há uma série de actividades que permitem não haver tempos mortos", garantiu Rocio Hernadez, da Galiza.

Por outro lado, o FIS recebeu, neste ano, a visita do ministro da Economia e das Finanças, Teixeira dos Santos, que, embora em visita particular, se quis associar à festa da folk, "de forma a contribuir para a sua divulgação".

Foi ainda possível ver a eurodeputada Ilda Figueiredo e a directora regional de Cultura do Norte, entre outras personalidades ligadas à cultura, artes e turismo.

"Já estive no festival no ano passado; sabendo que neste ano se assinalava o 10º aniversario do FIS, resolvi passar por cá, para, assim, testemunhar o evento e, ao mesmo tempo, poder, com a minha presença, dar visibilidade ao festival e a uma região do país que nos merece consideração, entre outros aspectos, pela raiz cultural que tem na língua, música e tradição popular grande parte de uma herança ancestral ", afirmou Teixeira dos Santos.

No campo musical, a excelência da voz da castelhana Maria Salgado, a herança musical dos Lhenga-Lhenga e o ritmo contagiante das músicas populares da Brigada Victor Jara tomaram conto de um acontecimento memorável.

Jornal de Notícias

domingo, 2 de agosto de 2009

O que os passageiros dizem do Aeroporto do Porto (2008 e 2009)

18 April 2009 - David Gartside (5/5):
Spacious, clean, unhurried, efficient, friendly staff - if only they were all like this. Acoustics a bit iffy on PA announcements, and the shopping facilities are due to be enhanced (groan) but streets ahead of anywhere else in Europe in my experience except perhaps Helsinki and Tallinn.

14 January 2009 - Lee Melbourn (5/5):
It's huge, very clean. All the staff are very friendly including security. Good choice of restaurants. The metro station is at the terminal and is a short ride into the city.

21 November 2008 - R Santos (5/5):
Great airport, arrived mid afternoon, received luggage within 10 mins, used the new electronic passport control, was out of the airport in 15mins, on return used the metro, which stops right outside the terminal, using the underground tunnel to get to the terminal, check in was a breeze, airy and lots of space, and free internet connection.

20 August 2008 - Rui Neiva (5/5):
Very beautiful airport at the architectural level. Ventilated big spaces and very clean. Glazed walls, with nice views and good natural light. Impeccable services. Underground car park and subway in front of airport, connecting it to the city. It is a pleasure to return there.

3 July 2008 - Silvia Martins (5/5):
OPO-MUC via FRA. Functional, bright and clean. Since the check-in until the boarding in the plane was perfect. Good Oporto metro system kind of "S-Bahn" from down-town until airport. Next trips to Portugal I will try to use OPO insted of LIS.

11 June 2008 - Max Johnson (4/5)
Connecting from EWR to BCN via OPO, there was complete confusion as to whether we had to identify our transit bags en route. Some said yes, others no. Logic, and experience at other gateway airports, indicates that bags are checked through to the final destination; even the layout of the airport supports this with the only customs facilities available at the exit; the "connecting flight" route offered no facility for inspection or, indeed, passing transit bags to the airport. Is this only for connecting passengers without luggage? I think not. As it happened my bags went astray anyhow, so the problem for me was academic. My travelling companion picked up his large suitcase and then took it through the connecting channel into the departure area! On the return, we boarded in OPO and the airport worked wonderfully, as does the train connection into and out of town.

1 April 2008 - John Atkins (5/5)
Such a pretty airport and easy to use. Staff are generally very friendly and helpful. Check in is fantastically efficient although that is probably speeded up by check in staff not bothering too much with the "did you pack this bag yourself" dialogue. Security staff were fine with me but apparently became very aggressive with my two kids who had been directed into a separate queue specifically for women and children. My daughter was pretty upset, annoyed and I suspect embarassed at being shouted at by a male guard in Portuguese in front of a longish queue. He apparently wanted her to remove the belt she was not wearing. A 15 year old English girl with no Portuguese may well be confused at the splitting up procedure which in our experience was unique to Porto on that mid morning of 29th March. I have always been there to interpret need for them before when travelling through airports. Apart from that, it is a lovely airport

8 January 2008 - Andre Da Silva (5/5)
A wonderful yet small airport, however it has all the facilities needed, and is very efficient.

Fonte: Airline Quality