terça-feira, 4 de agosto de 2009

Braga convidada para integrar o Parque Cultural Europeu

O concelho de Braga foi convidado para integrar o Parque Cultural Europeu, uma rede de 40 parques que deve incluir Las Medulas (Espanha) e países como França, Itália, Áustria, Alemanha, Suécia, Dinamarca e Noruega.

O representante português será "o único parque arqueológico e em descontínuo", pois os restantes são em geral parques naturais ou ambientais, segundo a presidente da Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho (UAUM), Manuela Martins. O projecto foi apresentado há dias no novo número da revista "Fórum".

Em Braga, promove-se então a "paisagem de cidade, construída", unindo 16 núcleos (a maior parte já monumentos nacionais), sendo onze na enorme área pedonal e cinco noutras freguesias, podendo o visitante definir a rota.

"Queremos mobilizar os defensores do património e não numa escala política", apela a responsável, "é um parque difuso, mas unificado a integrar a História local". Nos parceiros conta-se já a Câmara Municipal e a Universidade do Minho. O projecto foi também apresentado à Direcção Regional da Cultura, IGESPAR, Aspa, Associação Comercial de Braga, às várias forças partidárias e direcções de museus, entre outros. Aguarda-se que estes façam chegar comentários e a sua disponibilidade, de forma a fazer a promoção e discussão pública, para, aí sim, se constituir o Parque Arqueológico de Braga e concretizar a apresentação da candidatura.

Os núcleos arqueológicos bracarenses inicialmente eleitos são: Estação da CP, Fonte do Ídolo, Colina da Cividade, Escola Velha da Sé, Carvalheiras, Sé Catedral, Paço Arquiepiscopal, Torre Medieval (Castelo), Torre de Santiago, Praça Velha, villa e templos em S. Martinho (Dume), templos de S. Frutuoso e S. Francisco (Real), Sta. Marta das Cortiças (Falperra, Esporões), mosteiro de Tibães (Mire de Tibães) e complexo das Sete Fontes (S. Vítor). Sendo um parque polinuclear, é susceptível de núcleos novos, como foi o caso da necrópole recém-descoberta nos antigos CTT.

O plano visa dignificar e potenciar o "valor histórico, cultural, científico e turístico" do património bracarense, nomeadamente o romano e bimilenar de Bracara Augusta. A aposta nos conteúdos de interpretação multimédia e a remodelação dos espaços visitáveis vai também contribuir para cativar mais visitantes da rede, a uma escala mundial. "Braga tem muito mais património arqueológico visitável do que as outras cidades do país", frisou o arqueólogo Luís Fontes, da UAUM. Notou que o processo "não foi pacífico mas fruto de difíceis negociações, sempre suportadas" pela fundamentação científica.

"Isto tem custos, mas cá estamos para aguentar. Braga tem monumentos 'novos' graças à arqueologia. Deve orgulhar-se deles".

Jornal de Notícias

Sem comentários: