segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Porto bate recorde de assistência da Red Bull Air Race - 720 mil espectadores

720 mil pessoas lotaram as margens do Douro no dia da corrida, vencida pelo britânico Paul Bonhomme. Mais do que as 630 mil de Budapeste, que tinha sido o recorde da época. E o Porto vai voltar a acolher a competição.

Quem tivesse dúvidas sobre a continuação, ano após ano, do tremendo sucesso da festa dos aviões nas margens de Porto e Gaia, teve ontem a resposta: 720 mil pessoas lotaram todos os espaços possíveis, desde que houvesse o mínimo de visibilidade sobre o Douro. Em vez de perder espectadores, o Air Race do Douro ganha-os a cada edição que passa. Desta vez, houve um recorde absoluto de assistência no dia das corridas. Durante a semana de preparação da prova, André Carvalho, director de marketing da Red Bull Portugal, duvidava que pudessem caber nas zonas históricas de Porto e Gaia mais do que as 650 mil pessoas, que marcaram presença no dia de corridas do ano passado. Porém, este ano, a marca foi superada em 70 mil espectadores, segundo uma estimativa feita através de dados recolhidos pelos helicópteros da organização.

O recorde atinge proporções planetárias, já que, também segundo dados da organização, a etapa portuense bateu os números de público das outras quatro etapas que se tinham realizado até ao momento. A maior assistência da temporada tinha acontecido em Budapeste, com 630 mil pessoas nas margens do Danúbio. Windsor, no Canadá, também se aproximou destes números.

Já as etapas de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, e de San Diego, nos Estados Unidos, estiveram abaixo das expectativas em termos de público. Os 720 mil entusiastas dos ases da aviação que ontem emolduraram os centros históricos de Porto e Gaia representaram um novo recorde, depois das 200 mil pessoas que no sábado terem chegado para alcançar a marca de maior assistência num dia de qualificações.

Feliz com o banho de multidão nas margens do Douro e com a promoção turística que um evento transmitido para 137 países em todo o mundo traz à cidade, o presidente da Câmara do Porto, Rui Rio, salientou o enorme retorno mediático e financeiro - calculado em valores estimados entre os 17 e os 23 milhões de euros, num estudo realizado pela Faculdade de Economia do Porto -, aproveitando para deixar a porta aberta para as regresso dos aviões no próximo ano. "Tinha algumas dúvidas se, nesta terceira edição, nós conseguíamos ter o mesmo nível de assistência nas margens do rio. Efectivamente, verifica-se que não há menos gente que em anos anteriores, antes pelo contrário", referiu o autarca portuense, que disse não poder garantir a cem por cento o regresso dos aviões no próximo ano por uma questão meramente eleitoral. O contrato de três anos entre a Red Bull e as entidades portuguesas terminou ontem e, apesar de haver negociações em curso, conforme revelou Fernando Figueiredo, da organização portuguesa da prova - facto confirmado Rui Rio -, o edil ainda não pôde anunciar de forma categórica o regresso do espectáculo dos céus no próximo triénio: "Se ganhar as eleições, tenho obrigação de manter esta aposta. Há conversações com a Redbull e disponibilidade deles para continuarem a vir ao Porto, agora, neste momento, não me posso comprometer com algo que poderá não passar por mim no futuro." A assinatura de novo acordo depende também da Câmara de Gaia, que já terá revelado o seu interesse em manter o evento para os próximos três anos - Luís Filipe Menezes até já falou em aumentar o investimento, que ronda o meio milhão de euros por cada autarquia. Uma iniciativa que, a concretizar-se, terá de voltar a congregar esforços entre as autarquias, o poder central e entidades que trazem patrocínios de peso, em particular, o Turismo do Porto e do Norte de Portugal.

Diário de Notícias

Sem comentários: